Humanos devaneios - UOL Blog
Humanos devaneios

06/06/2011

Novo endereço...


http://photography.nationalgeographic.com/photography/photos/best-pod-may-2011/#/boat-lake-indonesia_35183_600x450.jpg

Saudações a todos e a todas que acessam o http://humanosdevaneios.zip.net/ !

Gostaria de avisar que o blog continua com o mesmo nome, apenas mudamos a plataforma. Quem desejar nos visitar é só acessar:

http://humanosdevaneios.wordpress.com/

 

Abraços,

Érica Neiva.


Escrito por Érica Neiva às 14h18
[] [envie esta mensagem] []


28/03/2011

Gosto de lembrança...


http://travel.nationalgeographic.com/travel/countries/your-european-cities-photos/#/european-cities-berlin-red-shoes_30133_600x450.jpg

A mão no queixo
, o olhar não diz nada, um batom escuro cobre os lábios, pensamento vazio passeia pelos dedos...

Ao retornar do trabalho hoje, por volta das 15h, fiquei um bom tempo na estação do metrô esperando a chuva passar. Estava sem guarda-chuva e só me restava "contemplar" o pequeno rio em que se transforma a avenida.

Cansada de esperar dobrei a calça e procurei um lugar menos alagado para tentar chegar. Não teve jeito. Molhei completamente os pés na mistura de água e lama. O único medo era escorregar, mas como o percurso era curto, logo subia o elevador do prédio e abria a porta da vida que ficara congelada...

Às 18h desci para comprar ovos e leite. Resolvi fazer bolinhos de fubá. Precisava do cheiro familiar da massa fritando. Nessas horas tenho vontade de pôr minhas asas supersônicas, invadir a casa dos meus pais a mais de 700 quilômetros de distância, sentar na mesa da cozinha, tomar uma xícara de café e simplesmente deixar-me ficar...

Os bolinhos estavam uma delícia... A lembrança também.


Escrito por Érica Neiva às 22h48
[] [envie esta mensagem] []


21/03/2011

O tempo lá fora, vida que escapa...


http://environment.nationalgeographic.com/environment/natural-disasters/tsunami-profile/

Coração infrutífero não alcança a compaixão trazida pela esperança ... O corpo mórbido, os olhos secos, a alma solta e sem rumo... Uma angústia mesclada de fatalidade, egoísmo disfarçado de solidão. Palavras engasgadas... Sons não ditos comprimem a cabeça, estrangulam o desejo antes de nascer.

Pensamentos inconsistentes deixam o céu ainda mais cinza, nuvens pesadas chegam muito perto... As reticências são inevitáveis, vãs certezas transformam-se num quebra-cabeça de dúvidas.

A água não consegue alimentar a garganta sedenta, o espírito mórbido e infecundo...

O presente é tudo que se tem... Minhas mãos esmagam a folha da árvore e tenta sorver o resto de vida, a morte como uma destino certo...

Talvez a chuva caía. As gotas podem trazer a imagem de uma noite tranquila, sem inquietações, simplesmente deixando-se SER.


Escrito por Érica Neiva às 17h53
[] [envie esta mensagem] []


10/03/2011

Colcha tingida de sonhos...


http://travel.nationalgeographic.com/travel/countries/united-kingdom-guide/

O atalho que me leva à estação do metrô, hoje, estava alagado. Tentei pisar com bastante cuidado, mas não teve jeito. A lama respingou nos meus sapatos e um pouco de água entrou pelos poros dos calçados. Mesmo com a chuva o tempo é seco. Prova disso é que 20 minutos depois não havia resquícios de água, exceto a umidade e nevoeiro das minhas ideias. A quinta-feira pós Cinzas é uma mistura de sonolência, vazio e tédio.

Tento acomodar o guarda-chuva na mochila, no entanto, o zíper da bolsa fica semiaberto. Ponho os fones e escuto o Teatro Mágico. Os ouvidos mecânicos não despertam para as melodias. As páginas do Lobo da Estepe parecem mais atraentes. O teor complexo, confuso e denso do protagonista deixam o meu olhar sem rumo...

Sou uma colcha de retalhos numa manhã cinza em busca de matizes de esperança...

 


Escrito por Érica Neiva às 22h51
[] [envie esta mensagem] []


05/03/2011

Histórias encantam, felicidade passeia...



Dia belo.

Ouvir uma voz tranquila, sentir a beleza e simplicidade de conversas que fazem tão bem.
Prosas familiares, ouvidos atentos, histórias que embalam e nos fazem acreditar nas verdadeiras amizades.
Compartilhar momentos simples, singelos... Saber que a vida se faz vagarosamente, sem pressa...

Hoje visitei amigos...

Vejo além dos muros. O meu olhar encontra-se com a esperança que alimenta vidas e une corações.


Escrito por Érica Neiva às 22h30
[] [envie esta mensagem] []


04/03/2011

O Sol afasta as lembranças por um instante...

O céu e o mar... A vida e o tempo...
Tudo quase azul, o coração quase em paz.
Os pensamentos fazem voltas, um caracol no círculo que nunca para...

Meus sonhos são enigmáticos, turbulentos e sufocantes.
Os degraus da escadaria desmoronam, a esperança esvai-se lentamente.
Vou... Sigo...
As ruínas podem ser refeitas, nem tudo está perdido.

Há apenas uma leve lembrança dos sonhos.
O azul estonteante e o intenso verde
Fecham os olhos
Que sentem o sol como um anestesiante,
O antídoto de um dia quase perfeito...


Escrito por Érica Neiva às 18h49
[] [envie esta mensagem] []


03/03/2011

No vai e vem do TEMPO...

Deixo as palavras de molho... Elas cutucam, penso e sinto que mais uma vez é tempo de recomeçar...
Estou de férias. Esta foto foi tirada na Praia do Madeiro, em Pipa/RN...
A água do mar nos embriaga e traz a leve sensação de naufrágio, leveza e despretensão. Apenas deixar-se ficar...
Apenas o não-ser...

Tenho algumas plantinhas no apartamento e hoje tive o prazer de mexer um pouco nelas. Mudei o alecrim para um vaso maior e fiz duas mudas de guiné. Uma será para uma grande amiga, Michele.
Quando toco na terra é como se a vida se tornasse mais próxima... É como se flashes da infância e adolescência povoassem os pensamentos de uma adulta quase feliz...


Escrito por Érica Neiva às 18h11
[] [envie esta mensagem] []


26/10/2010

Esperança submersa...


http://photography.nationalgeographic.com/photography/?source=NavPhoHome

As ruas eram um amontoado de carros, prédios, rostos perambulando... O ciclo da vida trazia sentimentos obscuros, eufóricos, incertos... Os pensamentos não tinham qualquer concatenação, a boca sedenta degustava o amargor misturado à glória de dias que se perdem.

A rua agora é escura. Ninguém povoa seus caminhos, exceto a torta sombra de um corpo vagando em busca do desejo decadente, da esperança desfeita... Os olhos não se fixam em horizonte algum, amedrontados apenas correrem, distanciam-se da essência almejada em outros tempos...

O corpo cansado perde-se na estrada... Quase não vejo a sua imagem... Mas, ao fechar os olhos com bastante força, vislumbro a trôpega sombra que clama por um resto de esperança...


Escrito por Érica Neiva às 18h41
[] [envie esta mensagem] []


25/10/2010

Olhos atentos, tesouro desconhecido...


http://animals.nationalgeographic.com/animals/photos/eerie-animals/

Para chegar à estação do metrô pego um atalho... Um atalho sem pavimentação onde mora uma coruja. Isso mesmo. A coruja fica numa ribanceira no alto do caminho. Acho que protege algum ninho, guarda um tesouro com extrema devoção e cuidado. Admira-me a disciplina do animal vislumbrando um momento que atravessa o presente e se confude com um futuro previsível...

Ao passar pelo atalho os meus olhos procuram o alto da ribanceira, buscam a esperança no cotidiano, nas pequenas ações que embora mecânicas e repetitivas sempre são surpreendidas por algo novo. Quando menos esperamos, somos presenteados com a presença elegante e firme de uma coruja guardando o seu tesouro, espantando os seus males...

Meu coração bobo se dirige ao metrô... A cabeça atônita percorre os trilhos de uma vida longa...


Escrito por Érica Neiva às 19h44
[] [envie esta mensagem] []


20/10/2010

Escuridão quase lúcida...


http://photography.nationalgeographic.com/photography/photos/life-color-red/?source=fophotofeat1#/red-oats-taylor_1508_600x450.jpg

Os olhos passam pela janela... A boca procura o espaço mais improvável para sentir o gosto amargo que, às vezes, soa como um antídoto para os males que nunca se tornarão bem... Males que não necessitam de nenhum tipo de exorcismo ou salvação. É um sentimento inato, tão próprio e característico que chega a ser necessário para uma maior clareza, um discernimento das feridas necessárias para se manter viva...

A escuridão de um dia acinzentado e mórbido me faz relembrar dos quartos escuros que povoei, das janelas que deixei de abrir, da luz interrompida por pensamentos tristes e melancólicos... Nada foi em vão... O desalento mais profundo, a angústia draconiana apenas foram remédios para a loucura se revestir de um pouco de lucidez, para a luz se misturar a imagens de sombras...

Nem boa nem má... Uma mulher vestida de pijama em frente ao computador pensando que todas as lembranças um dia serão poeira de um caminho que deixa marcas, de uma vida trágico-cômica...


Escrito por Érica Neiva às 14h39
[] [envie esta mensagem] []


12/10/2010


http://photography.nationalgeographic.com/photography/photos/patterns-nature-trees/#/quaking-aspen-trees_1497_600x450.jpg

No último post disse que faria uma caminhada... A noite estava nublado, mas a chuva havia cessado. O ar  leve me fez respirar melhor e tranquilizar os pensamentos. Como a chuva tinha sido acompanhada de ventania havia vários galhos e, inclusive, algumas mangas caídas no chão. A sensação de liberdade e  recomeço deixam o coração mais sereno, esperançoso... E para um cenário ainda mais propício encontrei uma coruja pelo caminho. Seus olhos chegaram tão perto que, naquele instante, fiz deles os meus. Aquela força e equilíbrio, por um breve instante, seriam minhas... Assim como seria minha a certeza de que os sonhos estão cravados em mim...

O passeio no Parque fez lembrar das longas caminhadas que fiz quando criança e adolescente nas fazendas dos meus avós na Bahia. Andar naquelas terras era pisar um terreno firme, macio, mas repleto de conflitos, angústias e medos... Era como saber que o desconhecido marcaria minha vida e me traria o tesouro da dúvida. Pedalava a bicicleta e percorria aquelas terras que pareciam infinitas e embuídas da magia que costuma povoar a cabeça de uma criança... Conversava com tudo que encontrava na estrada -  árvores, céu, troncos, pássaros... Desejava apenas pedalar, pedalar... Até que o cansaço tomasse conta e os pensamentos desvanecessem, trazendo a SOLIDÃO que antecede a PAZ de espírito...

Hoje parte das terras dos meus avós foram vendidas e a outra é motivo de brigas e discórdias familiares... É uma pena que um lugar de tantas lembranças significativas seja um cenário triste, rancoroso, um verdadeiro campo de batalhas...

Talvez as ventanias deem lugar a um ar calmo, capaz de desarmar os corações e trazer liberdade à alma...

 


Escrito por Érica Neiva às 22h47
[] [envie esta mensagem] []


06/10/2010


http://animals.nationalgeographic.com/animals/bugs/ant/?source=A-to-Z

A tarde está chuvosa, trovões soam entre os apartamentos onde moro... Talvez a tarde ideal para escrever um texto inspirador... A minha cabeça, contudo, não consegue se fixar em pensamento algum... Enquanto a utópica inspiração não chega, "desfiemos um colar de inquietações"...

Hoje uma colega de trabalho, lendo uma matéria do jornal local (http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia182/2010/10/06/cidades,i=216715/ENTIDADE+DE+APOIO+A+PORTADORES+DE+HIV+SOLICITA+DOACOES+PARA+O+DIA+DAS+CRIANCAS.shtml)pediu a minha ajuda para escrevermos um pequeno texto e encaminharmos a todos os colaboradores da empresa onde trabalhamos. O objetivo é arrecadar brinquedos e calçados para crianças e adolescentes portadores do HIV. O que mais me chamou atenção é o fato de muitas pessoas estarem precisando de tão pouco. Na correria diária, muitas vezes, esquecemos de agradecer não apenas as nossas conquistas, mas a obtenção dos recursos básicos necessários à sobrevivência.

Na instituição relatada, as pessoas não têm listas quilomêtricas de aspirações. Elas precisam apenas do direito a uma vida digna... Penso que em momentos assim devemos esquecer se este é, ou não,  um papel do Estado. Talvez seja melhor nos imaginarmos formiguinhas que têm na disciplina e coletividade forças essenciais para a continuidade da espécie.

Bem... A chuva está passando. Talvez eu caminhe um pouco e respire o ar mais leve que sucede os temporais...


Escrito por Érica Neiva às 17h54
[] [envie esta mensagem] []


03/10/2010


http://photography.nationalgeographic.com/photography/photo-of-the-day/starry-sky-washington/

As ruas da cidade onde nasci estão repletas de cheiros, vozes e barulhos da minha infância... Hoje o asfalto cobre o antigo calçamento de pequenos tijolos... Quando a chuva toca a minha terra a esperança renasce e os olhos dos meus conterrâneos revestem-se de um brilho vital. O cheiro de chuva representa a vida tocada por um sentido visceral, singelo...

As crianças daquela época adoravam sentir os primeiros pingos que aos poucos alagavam as ruas, transformando-as em rios urbanos. Meus pais não me deixavam sair para tomar banho, mas podia me contentar com a chuva molhando o corpo no quintal de casa.

Adorava balançar as galhas da romãzeira, que existe até hoje na casa dos meus pais, e sentir após a ida da chuva, suas gotas percorrendo meu rosto e atingindo os lábios...

Quero sempre beber a água que traz a felicidade de outros tempos...


Escrito por Érica Neiva às 23h14
[] [envie esta mensagem] []


29/09/2010


http://photography.nationalgeographic.com/photography/photo-of-the-day/canoes-boyer/

Prefiro ter a leve sensação de que nunca saberei a direção a tomar... Já vi o sol se pôr em tantos lugares. O peito apertado calava a voz que queria prender o momento mágico, que não mais se repetiria... Aquele sentimento ficou em outro tempo, mas a lembrança, às vezes, é tão real... Percebo, então, que os caminhos percorridos impregnaram meu corpo, tomaram meu coração... Meus passos trôpegos e incertos seguem a dúvida, amam a contradição...


Escrito por Érica Neiva às 22h49
[] [envie esta mensagem] []


28/09/2010


http://photography.nationalgeographic.com/photography/photo-of-the-day/boatmen-india/

Equilibrar-se na corda bamba da vida talvez seja o maior malabarismo a que nos propomos... Levantar às 6h da manhã, pôr o pé fora da cama e pensar: há sempre algo que vale a pena. Não precisa ser uma descoberta extraordinária ou mesmo uma ação salvadora...

Um simples olhar para o céu, deixando o sol tocar o rosto, sem pensar em nada. Apenas fechar por uma fração de segundos os olhos e ser tocada por um sentimento bobo, despretensioso, uma mistura de salvação e entrega...

Os pensamentos correm o universo das
inquietações, medos e ilusões... A cabeça não quer se prender em nada, deseja somente um fragmento de mundo, um amor que não existe, uma existência que nunca será minha...

Escuto uma música que costumava ouvir há alguns anos atrás... É a leve nostalgia de um passado que trilha um caminho solitário. Às vezes este passado é colorido e acolhedor; outras é triste e nostálgico...

Os dias são a continuidade da vida que a cada dia se afasta...


Escrito por Érica Neiva às 21h18
[] [envie esta mensagem] []



[ página principal ] [ ver mensagens anteriores ]
 
 
 
       
   
BRASIL, Mulher


Histórico
Categorias
  Todas as mensagens
  Objeto de Desejo
  Vida além de mim
  Um coração quase tranquilo
  Quero ser apenas SOL
  Boca amarga; olhos cansados
  Conflitos..Estranhas descobertas



OUTROS SITES
    National Geographic
  Delírios das Borboletas
  Arte e Cultura
  Pulsar Poético
  SERENADE


VOTAÇÃO
    Dê uma nota para meu blog




<